Qual será a melhor “DIETA”

Em primeiro lugar quero que percebam que não sou adepto de extremismos nem de fundamentalismos, a informação, a “boa” informação, é de e para todos. Claro que cada um é livre de fazer o que achar por bem com essa mesma informação, penso que na pior das hipóteses deve-se recorrer ao benefício da dúvida.
Também como já aqui foi falado no blog, o ser humano não aceita bem as mudanças, é fiel ao que lhe “ensinam”, pondo de parte quase como que instantaneamente tudo o que seja uma tentativa de alteração de pensamento. Mesmo que nos oiçam quando tentamos mostrar algo “novo”, uma grande percentagem de pessoas nem chega a ouvir o discurso até ao fim, infelizmente outros são os donos da verdade, uma outra corrente ou melhor, uma outra grande corrente simplesmente agarra na parte da verdade que mais lhes convém e fazem “disso” uma verdade absoluta.

A algum tempo atrás vi uma história no blog de Dr. Souto, é uma lenda Indiana que tem tudo a ver com o pensamento humano e com a forma como os donos da razão encaram aquilo que desconhecem.

“Numa cidade da Índia viviam sete sábios cegos. Como os seus conselhos eram sempre excelentes, todas as pessoas que tinham problemas recorriam à sua ajuda.

Embora fossem amigos, havia uma certa rivalidade entre eles que, de vez em quando, discutiam sobre qual seria o mais sábio.
Certa noite, depois de muito conversarem acerca da verdade da vida e não chegarem a um acordo, o sétimo sábio ficou tão aborrecido que resolveu ir morar sozinho numa caverna da montanha.
No dia seguinte, chegou à cidade um comerciante montado num enorme elefante. Os cegos nunca tinham tocado nesse animal e correram para a rua ao encontro dele.
O primeiro sábio apalpou a barriga do animal e declarou:
– Trata-se de um ser gigantesco e muito forte! Posso tocar nos seus músculos e eles não se movem; parecem paredes…
– Que palermice! – disse o segundo sábio, tocando nas presas do elefante. – Este animal é pontiagudo como uma lança, uma arma de guerra…
– Ambos se enganam – retorquiu o terceiro sábio, que apertava a tromba do elefante. – Este animal é idêntico a uma serpente! Mas não morde, porque não tem dentes na boca. É uma cobra mansa e macia…
– Vocês estão totalmente alucinados! – gritou o quinto sábio, que mexia nas orelhas do elefante. – Este animal não se parece com nenhum outro. Os seus movimentos são bamboleantes, como se o seu corpo fosse uma enorme cortina ambulante…
– Vejam só! – Todos vocês, mas todos mesmos, estão completamente errados! – irritou-se o sexto sábio, tocando a pequena cauda do elefante. – Este animal é como uma rocha com uma corda presa no corpo. Posso até pendurar-me nele.
E assim ficaram horas debatendo, aos gritos, os seis sábios. Até que o sétimo sábio cego, o que agora habitava a montanha, apareceu conduzido por uma criança.
Ouvindo a discussão, pediu ao menino que desenhasse no chão a figura do elefante. Quando tacteou os contornos do desenho, percebeu que todos os sábios estavam certos e enganados ao mesmo tempo. Agradeceu ao menino e afirmou:
É assim que os homens se comportam perante a verdade. Pegam apenas numa parte, pensam que é o todo, e continuam tolos!
Este é um exemplo do que se passa com a área da Nutrição, felizmente para mim não sou de fanatismos. Gosto de retirar sempre o melhor de toda a informação a que tenha acesso, e como não reagimos às coisas sempre da mesma forma, gosto de testar e perceber como e onde me insiro em determinada questão.
Por exemplo na questão dos ovos, mesmo tendo a informação científica mais atual, nada como experimentar. Ou seja, experimentei comer 4 ovos por dia durante 1 mês, depois 3, depois 2, depois 1 ovo por dia e percebi em primeira mão como isso funciona comigo.
Fala-se também que não é possível ganhar peso “massa muscular” e manter os níveis de força, até a própria vida é posta em causa por muitos, caso se restrinja os Hidratos de Carbono, então durante 1 mês reduzi o meu consumo de HC, estive em cetose durante 2 semanas e … bem, como se diz na gíria, afinal havia outra.
O que quero com todas estas história chatas é muito simples até, como alguém disse um dia, ” não negue à partida uma ciência que desconhece”, mas se por acaso conhecer dê-lhe o benefício da dúvida, mas sempre sem inventar claro, basta seguir o trajeto da evolução humana para se perceber o que possivelmente pode ou não funcionar nas questões da alimentação. Pelo menos as pessoas não estariam tão baralhadas e perdidas, e não assistiríamos a um tão grande emergir de “mestres” da Nutrição.
Como sabem adoro um bom vídeo / documentário, acho que assim, para além de vos colocar frente a frente com verdadeiros sábios, conseguem reter mais e melhor informação.
Sendo assim gostaria que vissem este maravilhoso documentário
The Perfect Human Diet , não peguem apenas numa das partes do vídeo para tirarem conclusões sejam elas quais forem, usem antes o vídeo completo, ousem provar que poderão estar errados, experimentem.
Bem Haja

Posted on Dezembro 14, 2017 in Artigos, Blog

Share the Story

Back to Top